Ir para a Home Page
Estatuto Editorial

A Imprensa modificou as vivências humanas

Na época em que as burguesias mercantis começam a surgir e a imporem-se à economia feudal, as cidades começam a albergar uma grande concentração de comerciantes. A acumulação monetária e a intensificação das trocas, aliadas ao interesse das burguesias no rompimento das barreiras feudais, na livre circulação de pessoas e bens e na rápida troca de informações, fazem com que se começasse a sentir a falta de um instrumento de difusão larga e rápida de mensagens que possibilitasse um intercâmbio de informação sobre assuntos comerciais. 

A reunião destas condições económicas e sociais é responsável por João Gutemberg, por volta de 1440, ter criado um sistema de letras móveis em metais que viria a dar um incremento notável e fundamental à arte da impressão. As letras eram fundidas em série e agrupadas de modo a formar palavras, linhas e páginas que, depois de tintadas, eram comprimidas contra o papel, numa prensa de madeira. Podia-se então produzir, em poucas horas, um número considerável de páginas que equivaleria, noutros tempos, a alguns meses de trabalho dos copistas. A Imprensa nascia e proporcionava uma nova fase na divulgação dos livros e das publicações periódicas. Portugal acompanhou a expansão da Tipografia e parece ter sido em 1487 que a arte da impressão se implantou. Lisboa, Faro e Leiria foram as cidades de onde, entre nós, saíram os primeiros livros. 

O incremento da Imprensa de Massas foi favorecido pelas mudanças sociais, económicas e técnicas que se fizeram sentir aquando da Revolução Industrial. Os trabalhadores deixaram os campos e aglomeraram-se nos centros urbanos, destruindo o conceito tradicional de Família onde as condições de vida eram bastante precárias. A necessidade de algo que Ihes preenchesse o vazio e proporcionasse distracção, entretenimento e orientação moral começa a ser sentida. Por isso, depressa se formam círculos de leitores onde o número de elementos se multiplicava a todo o instante. Esta é uma altura também caracterizada pelo alargamento da formação escolar o que permitiu um maior número de pessoas capacitadas para a leitura. A burguesia, em plena ascensão, conquistou um espaço público e passou a estar presente nas decisões políticas. Isto levou a que, a meados do século XIX, fossem abolidas as disposições gerais da censura, o imposto de selo e quaisquer outros obstáculos que travassem a evolução da Imprensa. 

Daqui em diante, as inovações técnicas são tantas e tão rápidas que a redacção dos textos e a estrutura do Jornal deixa de estar nas mãos de um homem só para passar a existir nas instalações secções específicas onde as tarefas estão divididas. A instalação de telefones nas redacções dos jornais e revistas e a reprodução de fotografias que permitiu um vasto conjunto de possibilidades diferentes de configurar, são duas das inúmeras inovações introduzidas na Imprensa. 

Na segunda metade do século XIX atraíam leitores as notícias da bolsa e do comércio; as notícias políticas escaldantes obtidas por meio de reportagens actuais; os romances em episódios que apaixonavam quem lia, estimulando a sua compra regular. As revistas realçadas pelo progresso da fotografia e das técnicas de ilustração conseguiam um sucesso parecido ao dos jornais. Visavam oferecer entretenimento e dar conta dos acontecimentos importantes por meio da imagem. Mas, não eram apenas os jornais e revistas que iam ao encontro das necessidades da população. Em dimensões muito mais limitadas, os livros, reduzidos a livros de bolso, apareciam em 1880 e permitiram o acesso a muitas obras de Literatura e da Ciência. 

A Imprensa, transformada a cada dia que passa, tornou-se numa mercadoria que vai ao encontro dos desejos dos leitores, tentando sempre criar outras necessidades e surpreender as suas expectativas. No entanto, a Imprensa não é apenas um veículo de notícias mas ainda um instrumento eficiente e eficaz que, em muitas partes do mundo, modela a opinião pública em função de interesses económicos e políticos.


Gutemberg

Prensa de Encadernar



Prelo Manual

Máquina de coser livros

Máquina de Impressão

Máquina de Impressão

Máquina de Impressão

Máquina de Encadernar


© 2003 - Inforletra, Lda - Todos os direitos reservados - Powered by ERION

Historial
Evolução da Imprensa
Assinaturas
Sugestões
Dê-nos Notícias
Exposições
Ficha Técnica